CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Alteridade em versos
'Un homme est toujours la proie de ses vérités. ( Albert Camus).
Meu Diário
14/08/2018 22h14
Utopia nossa de cada dia.

Eduardo Galeano comparava a utopia como uma eterna linha no horizonte de estrada que nunca chegaremos. Agostinho também dizia que era no ser e no reencontra-se de ser que todo o homem buscava Deus.

A vida é inteiramente dialética, suponho.

Ontem estava mal.

Hoje ao avistar amigos senti-me enervado de utopias. Talvez, seja só isso mesmo. Como dizia a filosofia de Nietzsche o bom é sempre ser menos conceitual e mais trágico, ou dito de outro modo, menos lógico, mais artístico, totalmente livre e pulsionado sempre de jubilosas utopias.


Publicado por gbbenfica em 14/08/2018 às 22h14
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
01/08/2018 19h04
Sobre o dia de chuva.

"I walked the avenue, 'til my legs felt like stone,
I heard the voices of friends, vanished and gone,
At night I could hear the blood in my veins,
It was just as black and whispering as the rain" - Bruce springsteen

 

 

O que me mantém vivo é a palavra. Sei que quando silenciar-me tudo estará acabado. Ao caminhar entre a chuva percebo o nada úmido e imóvel que corre dentro de mim. Sou apenas alguém de sombra que passa com dores que não podem ser ouvidas. Vi uma moradora de rua com mãos enrugadas cobrindo o rosto de choro hoje. Queria ter a capacidade de pintar essa cena. É a mais pura subjetividade da agonia perante o real.

Hoje, Deus escondeu-se.


Publicado por gbbenfica em 01/08/2018 às 19h04
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
28/07/2018 16h59
Sobre a corrida

 

No começo desse ano li o livro "correr" do Dr. Drauzio Varella. Sempre gostei da escrita dele. Simples e direta. Gosto de autores que não enfeitam o texto. Aliás essa frase tenho "horror a enfeite no texto" e da própria poetisa Adélia Prado a qual também admiro muito. Mas voltando a falar do livro do Drauzio, ele foi um motivador para que eu pudesse experimentar a prática da corrida.

Nunca fui extremamente sedentário. Pratiquei diversas modalidades de artes marciais ao longo da adolescência. Mas com relação a corrida eu era um neófito há sete meses atrás. Decidi que precisaria fazer treinamentos de força e mudar a alimentação para correr mais rápido. Fui à nutricionista e contratei uma personal trainer para o trabalho de musculação.

Não me arrependo. Acredito em dois grandes investimentos na vida: saúde e educação. Hoje corri 30km após sete meses de treino. Uma distância longa e considerável. Minha meta é chegar como Drauzio aos 70 correndo maratonas de 42 km.

Aliás corrida é algo que vicia.  Pois a descarga de dopamina e serotonina no encéfalo após esses treinos é alta, como ele explica em seu livro. Com parcimônia sei que chegarei a minha meta.

A corrida também me dá ânimo e energia para realizar atividades intelectuais das quais eu vivo.


Publicado por gbbenfica em 28/07/2018 às 16h59
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.